Medicina de conservação

Apoio a projetos de medicina de conservação

A Medicina da Conservação é uma ciência multidisciplinar que se foca nas relações patogénicas entre o ser humano, fauna e ecossistemas, através do desenvolvimento e aplicação de práticas de gestão de saúde, políticas e programas com o objetivo de manter o equilíbrio ambiental essencial à saúde animal e humana.

Esta prática reúne veterinários, médicos, ecologistas, biólogos e profissionais da conservação para apoiar e desenvolver programas de investigação e de educação que exploram problemas associados à transmissão interespecífica de enfermidades ou à influência de fatores abióticos na vulnerabilidade da biodiversidade a agentes patogénicos.


Para saber mais sobre esta nova ciência consulte

Triade.org
Tufts University
The University of Edinburgh

Literatura aconselhada

Aguirre, A.A., Ostfeld, R.S., Tabor, G.M., House, C., Pearl, M.C. (2002). Conservation
Medicine: Ecological Health in Practice. New York, Oxford University Press. ISBN-10: 0195150937

Aguirre, A.A., Ostfeld, R.S., Daszak (2012). New Directions in Conservation Medicine: Applied Cases of Ecological Health. Oxford University Press. ISBN-10: 0199731470

Macdonald, M., Service, K. (2007). Key Topics in Conservation Biology. Blackwell Publications, Oxford. ISBN-10: 1405122498


O Oceanário de Lisboa através do know-how adquirido na área de medicina veterinária, ao longo de mais de 17 anos de experiência com várias espécies da coleção animal, e do network estabelecido com entidades congéneres, colabora, desenvolve ou coordena estudos de conservação in situ, ex situ ou sorta situ, na componente da medicina da conservação.

Incentiva a introdução desta ciência nos projetos de conservação que financia, através da formação em técnicas de rastreio de agentes patogénicos ou manipulação para procedimentos médicos ou para o estudo da utilização de habitat ou distribuição de uma espécie.

Conheça o trabalho do Oceanário de Lisboa no âmbito da medicina da conservação:

Programa Sada na ilha do Príncipe

Projeto SADA - Ilha do Príncipe

No âmbito deste projeto, formou-se um grupo multidisciplinar com o objetivo de caracterizar as populações de tartarugas marinhas da região e estudar uma doença de expressão mundial, a fibropapilomatose.

As tartarugas marinhas apresentam vários parasitas, simbiontes e variadas doenças mas nada tem causado tanta preocupação como a fibropapilomatose, sendo considerada uma ameaça crescente para a sua sobrevivência. Trata-se de uma doença de origem infeciosa associada a um vírus (Herpes vírus) que pode levar à morte, caracterizando-se por múltiplas massas de tumores de pele, aparecendo geralmente em todas as partes moles do corpo das tartarugas, com uma maior expressão nas barbatanas anteriores, olhos e pescoço.

Este grupo multidisplinar que inclui o médico veterinário do Oceanário e especialistas nas áreas da virologia, anatomia-patológica e bacteriologia, desenvolveu protocolos para a descrição e documentação das lesões, a colheita e conservação de amostras para posterior análise em Portugal. Parte das amostras foram também utilizadas para colaborar num projeto da Universidade de Porto Rico.

Publicações científicas no âmbito deste projeto

First histological and virological report of Fibropapilloma associated with Herpesvirus in Chelonia mydas at Príncipe Island, West Africa 

Phylogeography and Evolution of the Chelonid Fibropapilloma-associated Herpesvirus 

Virulence traits of Pseudomonas spp. carried by free-living turtles (Eretmochelys imbricate) from the Príncipe Island, Gulf of Guinea (Poster)

Histological Characterization of Marine Turtle Fibropapillomatosis in green turtles (Chelonia mydas) of Príncipe Island in the Gulf of Guinea (Poster)

Preliminary Phylogenetic Analysis Fibropapilloma-associated Herpesvirus Sequences from Marine Turtles, Príncipe Island, Gulf of Guinea, West Africa (Poster)


Comportamento, interações predador-presa e interação com a pesca do peixe-lua, Mola mola

Peixe-Lua

No âmbito deste projeto, o Oceanário teve um papel preponderante no aconselhamento sobre a metodologia de aplicação de dispositivos externos de telemetria nestes peixes.
Adicionalmente sugeriu a introdução da componente da medicina da conservação através da caracterização da flora bacteriana dos indivíduos capturados. As primeiras recolhas foram realizadas e as colheitas encontram-se em análise.


Projeto de saúde ambiental focado nas populações nacionais de anfíbios e reptéis

Anfíbios e Répteis

O Oceanário de Lisboa colabora neste projeto coordenado pela Associação Portuguesa de Herpetologia, através da elaboração de protocolos de colheita de amostras, necropsias, pesquisa de agentes patogénicos e tratamento de resíduos contaminados.

ESCOLHA MUDAR
COMPRA SUSTENTÁVEL

#SeaTheFuture